Projeto Música para Todos apresenta Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul e A Sbørnia Kontr'Atracka

Projeto Música para Todos apresenta Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul e A Sbørnia Kontr'Atracka

Atrações que marcam o último dia da Virada Sustentável Porto Alegre 2018 acontecem no domingo, 08 de abril, na Praça Júlio Mesquita, com entrada franca

No dia 08 de abrildomingo, a partir das 15h, nPraça Júlio Mesquita (em frente à Usina do Gasômetro), o projeto Música Para Todos oferece ao público de Porto Alegre duas atrações musicais que vão marcar o último dia da Virada Sustentável Porto Alegre 2018o concerto dOrquestra Jovem do Rio Grande do Sul e o espetáculo A Sbørnia Kontr'AtrackaAs apresentações são gratuitas.

Sob a regência do maestro Telmo Jaconi, a Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul se apresenta às 15h, com um repertório de músicas eruditas e populares: Concerto Alla Rustica (de A. Vivaldi); Pequena Serenata Noturna (W.A.Mozart); Canon (J. Pachelbell); La Vie en Rose (E.Piaf); What a Wonderful World (Louis Armstrong); Canções Populares do Brasil (R. Gnatalli); Mourão (César Guerra-Peixe); Escorregando (E.Nazareth); Canto Alegretense (Ernesto e Bagre Fagundes) e Querência Amada (Teixeirinha). A orquestra conta com mais de 100 componentes, todos alunos da rede pública de ensino, na faixa etária de 10 a 24 anos

Às 17h30os músicos Hique Gomez e Simone Rasslan  apresentam o espetáculo A Sbørnia Kontr'Atracka, dando continuidade à saga musical iniciada com o icônico espetáculo Tangos & TragédiasNo espetáculo, os personagens sbørnianos  Kraunus (Hique Gomez) e Nabiha (Simone Rasslan) chegam ao Brasil, vindos de uma terra fictícia chamada Sbørnia - uma Ilha Flutuante, de cultura muito peculiar. Durante a peça, os exímiosinstrumentistas tocam e contam os costumes de sua terra. Músicas como O Primeiro Disco - a historia da nave extraterrestre que pousouna Terra, Aquarela da SbørniaAna Cristina e outros hits revivem o universo de música e humor do Tangos & Tragédias que, durante décadas, encantou milhares de pessoas.

Com o objetivo de valorizar a herança cultural regional e proporcionar lazer e cultura às comunidades, o projeto Música para Todos já levou cultura e entretenimento a mais de 100 mil pessoas pelas cidades onde passou. Em sua quarta edição, o projeto tem financiamento da Lei Federal de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura/Governo Federal e patrocínio de thyssenkrupp, Sulgás, Banrisul e Zaffari.

O Música para Todos integra a programação da 3ª edição da Virada Sustentável Porto Alegre – amplo evento de mobilização para a sustentabilidade, que será realizado de 06 a 08 de abril de 2018, em Porto AlegreO tema principal desta edição é a educação e seus desafios na agenda da sustentabilidadeA partir do mote central, a Virada 2018 aborda e desenvolve outros temas como a redução das desigualdades sociais, as cidades sustentáveis, o consumo responsávelágua potável e saneamentopaz, justiça e instituições eficazes, e colaboratividade.

O festival reúne cerca de 200 atrações e atividades que serão realizadas simultaneamente em diferentes locais e em cinco Ecopontos principais da Capital Gaúcha: a Casa de Cultura Mario Quintana, a Associação Cultural Vila Flores, o Parque da Redenção, a Unisinos – Campus Porto Alegre e o SESC Protásio Alves. Todas as atividades são gratuitas e abertas ao público. A programação completa pode ser consultada no site http://www.viradasustentavel.org.br/poa.

Serviço

Concerto Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul e espetáculo A Sbórnia Kontr'Atracka

Projeto Música para Todos na Virada Sustentável 2018

Dia 08 de abril, domingo, às 15h (Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul) e às 17h30 (A Sbornia Kontra’Atracka)

Praça Júlio Mesquita (em frente à Usina do Gasômetro - R. Gen. Salustiano - Centro Histórico, Porto Alegre)

Entrada franca 

Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul

Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul nasceu em 2009, a partir da iniciativa da Secretaria de Estado da Justiça e do Desenvolvimento Social em parceria com o Banrisul e a Federação das Associações de Municípios do Estado (Famurs). Em 2010 foi criada a Associação Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul, uma ONG pautada pelo princípio e transparência e voltada a gestão integral da Orquestra, hoje presidida por Carla Zitto. Nesses nove anos de trabalho, a OJRS tem o objetivo de proporcionar a inclusão social de jovens através da música. Alunos da rede pública de ensino, na faixa etária de 10 a 24 anos, formam o público alvo que compõe o corpo orquestral. Os integrantes recebem auxílio mensal e os que têm mais de 14 anos são inseridos no Programa Jovem Aprendiz, em uma parceria com o Pão dos Pobres.

Atualmente a orquestra conta com mais de 100 alunos, divididos em iniciantes, intermediários e avançados, que são regidos pelo maestro Telmo Jaconi. A sustentabilidade da Orquestra, assim como sua expansão e crescimento, é feita a partir do apoio dos sócios, leis de incentivo, empresas patrocinadoras, parcerias com instituições públicas e através de doações de pessoas físicas.

Os meninos e meninas encantam plateias nos concertos realizados no Teatro do Centro Histórico-Cultural da Santa Casa, e também participam do Circuito Capelas, onde se apresentam uma vez por mês em Igrejas de Porto Alegre. O projeto é reconhecido em todo o Rio Grande do Sul e no Uruguai, já tendo realizado concertos em dezenas de cidades. Em 2012, recebeu o Prêmio Líderes e Vencedores, concedido pela Assembleia Legislativa, e o Prêmio Equilibrista do Ano, do IBEF/RS (Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças). Em 2014, venceu o edital Funarte de Apoio a Orquestras e, em 2015, o edital Pró-Cultura RS/FAC Sonora Musical.

Sbørnia Kontr'Atracka

O espetáculo A Sbørnia Kontr'Atracka foi criado em 2016, como uma homenagem a Nico Nicolaiewsky. Desde então, vem lotando temporadas no Theatro São Pedro e já passou também por São Paulo, Curitiba, Florianópolis e três cidades de Portugal - Viseu, Estarreja e Águeda (onde foi apresentado no festival Internacional O Gesto Orelhudo), sempre com a participação de coros locais.

Hique Gomez é figura de destaque no cenário artístico-cultural gaúcho desde o começo dos anos 1980. Músico, compositor, produtor e ator, em 1984 Hique Gomez criou com Nico Nicolaiewsky o espetáculo musical "Tangos & Tragédias" - sucesso de mais três décadas em cartaz em Porto Alegre e que ganhou o mundo. Paralelamente à montagem, o artista desenvolveu uma elogiada carreira musical solo, que inclui discos e shows como o premiado "O Teatro do Disco Solar" (1994). No filme mudo e em preto e branco "A Festa de Margarette" (2002), dirigido por Renato Falcão, Hique encarna um protagonista misto de Buster Keaton e Charlie Chaplin.

Em 2000, Hique criou e dirigiu o espetáculo musical "Rádio Esmeralda", êxito de público dos palcos gaúchos, interpretado pela cantora Adriana Marques e pela pianista e cantora Simone Rasslan, que ficou em cartaz durante quase uma década. Em 2011, compôs e produziu a trilha sonora do "Musical da Legalidade", sobre a campanha antigolpista liderada por Leonel Brizola no Rio Grande do Sul em 1961.

Diretor artístico do Rock de Galpão - projeto em que uma banda reinterpreta clássicos do cancioneiro regional sulista em arranjos permeados de rock'n'roll, blues, world music e sonoridades eletrônicas -, Hique vem trabalhando com um conceito musical que define como hiperpampa. Uma simultaneidade original entre passado e presente, tradição e modernidade, regional e universal que também está no cerne de seu show individual "Tãn Tãngo", no qual une o tango tradicional a outras influências como o samba e a música eletrônica.

Simone Rasslan é uma das cantoras mais conhecidas de Porto Alegre por ter criado, ao lado de Adriana Marques e Hique Gomez, o espetáculo Rádio Esmeralda. Também é referência por apresentar espetáculos que resgatam a história da música brasileira e ainda pelo competente trabalho de preparação musical para atores. Xaxados e perdidos seu último disco recebeu o Prêmio Açorianos de Música em 4 categorias: Disco do Ano, Disco MPB, Intérprete e Arranjador(a). Vem fazendo a preparação musical dos últimos espetáculos do diretor Felipe Hisch, como o espetáculo  "Selvageria", que estreou em São Paulo, em 2017, com sucesso de público e crítica. É doutoranda em Educação pela UFRGS.

Quer compartilhar?